A economia criativa não é uma estratégia de marketing calcada na criatividade.  

A criatividade em processos de produção em indústrias criativas ou processos de desenvolvimento tecnológico  e de inovação nem sempre são geradores desta economia .  Produção, circulação e demanda da criatividade, do conhecimento e da experiência  objetivando qualidade de vida e valores intangíveis não monetários são os pilares de sustentação da economia criativa. 

Sua implantação em qualquer tipo de processo  que visa apenas melhoria de produtividade ou de resultados financeiros não se sustenta – é necessária a mudança de pensamento em toda estrutura, quebrando paradigmas e valorizando o conhecimento e os intangíveis para que haja uma verdadeira e profunda mudança que trará por consequência e de forma sustentável, resultados monetários.

 

Criatividade já existia antes da criação da roda. Transformá-la na mola do desenvolvimento sustentável  aliada a valorização do conhecimento e dos intangíveis é o desafio contemporâneo. (Helga Tytlik-junho 2014).